Informativo nº 16 – Japão próximo de religar as usinas nucleares

Por Isabella Giusti Hernandes

Quatro anos após o acidente em Fukushima, o Japão está mais próximo de voltar a gerar energia nuclear, depois de uma decisão da Corte de religar dois reatores nucleares.

O Tribunal de Kagoshima, no sudoeste do país, rejeitou o recurso de moradores locais contra o religamento de dois reatores da usina nuclear de Sandai, desligados desde 2013. A decisão veio algumas semanas depois de outro Tribunal ter se posicionado pela demanda dos habitantes, bloqueando temporariamente o plano de religar dois reatores da usina de Takahama, na costa do Japão, por questões de segurança.

Todos os reatores japoneses foram gradualmente desligados a partir do desastre de março de 2011 em Fukushima. Segundo o governo, nenhum deles voltará a funcionar sem passar por rigorosas especificações de segurança e superar a oposição dos habitantes próximos às usinas.

Com a decisão do Tribunal de Kagoshima, resta à usina de Sendai superar apenas um obstáculo de regulamentação para voltar a funcionar, o que deve acontecer em Junho, mesmo com a oposição da população.

Segundo o Primeiro Ministro japonês, a recuperação econômica do Japão será colocada em risco pelos enormes gastos com importação de carvão e gás para cobrir a lacuna de energia que deixou de ser gerada pelos reatores nucleares. No entanto, mesmo ele, um defensor da energia nuclear, admitiu no início do ano que ainda florescem muitos problemas decorrentes de Fukushima, como água e solo contaminado. Além dos 120 mil refugiados nucleares, que possuem futuro incerto.

Um dos maiores problemas ambientais do desastre de 2011 foi a contaminação da água. A própria TEPCO – operadora da usina – disse que água altamente radioativa continuou escoando para o oceano por quase um ano, o que significa um enorme risco para a vida humana e marinha. Ademais, segundo geólogos, o solo onde a Fukushima Daiichi está construída é extremamente poroso, podendo a contaminação ter chegado a 200m de profundidade.

Resta agora esperar para ver qual será a solução que o Japão encontrará para resolver o impasse entre os riscos da energia nuclear e a queda do desempenho econômico dos próximos anos.

Informações:

http://theguardian.com/world/2015/apr/22/japan-moves-nearer-to-restarting-nuclear-reactors-after-court-gives-go-ahead

http://greenpeaceblogs.org/2015/03/09/tepcos-fukushima-daiichi-disaster-four-years-ongoing-nuclear-crisis/?_ga=1.222014558.770715205.1430007235