Informativo n.67 – O perigo da exploração dos corais amazônicos

Por Esther Éles

Há cerca de um ano foi anunciada a existência de um enorme recife de corais na foz do Rio Amazonas. Com área total de mais de 9500 km² e estendido por cerca de 700 km, da Guiana Francesa ao Maranhão, estima-se que sua origem tenha ocorrido há aproximadamente 12 mil anos. Até agora, apenas uma pequena porcentagem da área em que o recife se localiza foi mapeada por cientistas.

Em janeiro deste ano, as primeiras imagens do ecossistema foram divulgadas com a intenção de chamar a atenção para a sua preservação. Estima-se que lá estejam presentes diversas espécies animais ainda não descobertas, posto que até recentemente não imaginava-se a possibilidade do desenvolvimento de uma estrutura tão grande em um local com ausência de luz.

cpann

Contudo, a questão que atormenta ambientalistas é a da ameaça deste ecossistema pela exploração petrolífera na região da foz do Amazonas. A área já foi registrada pela ANP, Agência Nacional de Petróleo, e algumas empresas buscam ou conseguiram licitações para explorar blocos próximos. A ameaça mais urgente, de acordo com o Greenpeace, seria a empresa francesa Total – um dos pontos que almejam explorar se localiza a 8 km do recife.

O problema da atividade petrolífera seria o constante risco de um derramamento, que prejudicaria além do recife, diversas espécies reconhecidas (como os peixes-boi e as ariranhas, já em risco de extinção). As atividades econômicas de habitantes locais também seriam prejudicadas, a exemplo dos pescadores da zona costeira amazônica.

O Greenpeace, entidade responsável pelas imagens e pelo movimento de oposição à exploração petrolífera na região, tem realizado atos em defesa dos corais, além de coletar assinaturas para pressionar a empresa Total através de seu website. Há anos a Amazônia vem sendo explorada por diversas empresas e em diversas áreas econômicas, mas com a divulgação deste novo tipo de ecossistema, existe uma intenção ainda mais forte por parte dos movimentos ambientalistas para defender a região.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s