Informativo nº 34 – Segurança Alimentar: Desafios e Perspectivas

Por Natalia Naville

A segurança alimentar é um conceito que pode ser melhor compreendido quando destrinchado em duas frentes: food security e food safety. Enquanto a primeira refere-se à segurança dos alimentos quanto a possíveis contaminações e transmissão de doenças, a fim de evitar riscos à saúde humana, a segunda preocupa-se com a sua produção e acesso aos mesmos por parte dos indivíduos.

Seu conteúdo alterou-se ao longo do tempo, sendo inicialmente associado ao risco de desabastecimento e capacidade de uma nação de produzir os alimentos a ela necessários de modo auto suficiente. Entretanto, são posteriormente inseridas na discussão conceitos importantes como a dificuldade de acesso e o desperdício. A riqueza do tema explica-se por sua interdisciplinaridade, e pela infinidade de assuntos interconexos com os quais está relacionado.

Uma dessas questões é a das mudanças climáticas, visto que as modificações no clima podem causar choques de desabastecimento, afetando com maior intensidade os países subdesenvolvidos[1], e intensificando a volatilidade da produção alimentícia. Segundo a ONU, [2], a produção de alimentos precisa aumentar em 60% até a metade desse século, sob pena de ocasionar uma crise de abastecimento que pode levar a guerra civis e inquietação social.

Essa necessidade é usualmente relacionada à pressão exercida sobre os recursos naturais pelo aumento populacional, de modo a responsabilizar o crescimento demográfico pelo esgotamento de recursos. Desse modo, a retórica neomalthusiana é utilizada para perpetuar a noção de que a insuficiência tanto de crescimento econômico quanto de matéria prina são mero resultado de uma população que cresce desenfreadamente.

No entanto, a realidade é mais complexa, e é preciso analisar outras influências, como o desperdício dos produtos agrícolas atualmente cultivados. Segundo a Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura (FAO)[3], ao diminuir-se o desperdício em  25%, mantendo constante a quantidade de alimentos produzida, a mesma seria suficientes para garantir o consumo de toda a população mundial que sofre atualmente de desnutrição, diminuindo assim a pressão sobre o cultivo de alimentos, à medida que são feitas adaptações para essa nova perspectiva de demanda.

O problema acima mencionado é enfrentado independente do nível de desenvolvimento das nações, manifestando-se de maneiras variadas conforme o contexto local. Em países desenvolvidos, nos quais parte considerável da população tem condições financeiras de adquirir uma quantidade adequada de alimentos para garantir sua subsistência, a dificuldade encontra-se nos alimentos que são comprados mas não chegam a ser utilizados, e portanto tem como destino o descarte. Já nos países em desenvolvimento, os produtos agrícolas não chegam ao consumidor final devido à ausência de infra estrutura adequada, perdidos por exemplo durante o transporte da mercadoria, antes mesmo de chegar ao consumidor final. Nesses, apresenta-se também com maior intensidade a questão do acesso ao alimento, dificultado por questões tanto monetárias quanto logísticas.  

O ato de alimentar-se é algo social – seu preparo, produção, escolha da comida envolvem fatores culturais, sociais, e comunitários. Logo, não surpreende que seu processo produtivo e obtenção estejam inseridos no contexto da sociedade como todo, e que questionamentos e dificuldades ligados a esta estão intrinsecamente conectados à alimentação humana. questionamentos perpassando ambos. Discutir a segurança alimentar significa tratar de todas esses fatores de modo concomitante, questionar pressupostos quanto ao funcionamento da ordem econômica, dos processos produtivos e da distribuição social de riquezas e externalidades. Ela envolve, pois, inúmeros campos do saber e do conhecimento: aquecimento global e alterações no clima, questões demográficas, populacionais e de desigualdade. Isso dificulta seu estudo, mas é o que torna a exploração do tema tão fascinante.

Referências:

[1]  http://www.theguardian.com/environment/2015/aug/14/food-production-shocks-will-happen-more-often-extreme-weather

[2] http://uk.reuters.com/article/2014/03/10/uk-unitednations-food-security-idUKBREA2909M20140310

[3]

http://www.theguardian.com/environment/2015/aug/12/cutting-food-waste-enough-for-everyone-says-un

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s