Informativo nº 30 – Segurança Alimentar e Transgênicos

Por Giovanna Hallage Coltri

A engenharia genética, ramo de estudo da ciência de desenvolvimento recente, possibilitou a criação de alimentos transgênicos, ou organismos geneticamente modificados. Trata-se de organismos cujos materiais genéticos (DNA) foram alterados, recebendo genes de outros seres (em geral bactérias ou vírus) que lhe atribuam alguma característica considerada benéfica à produção, como por exemplo resistência a pragas e agrotóxicos. Esses estudos também possibilitam a produção em larga escala de tais alimentos, por meio da clonagem, método de reprodução rápida. Recentemente, a produção de alimentos transgênicos vem aumentando, em razão, sobretudo, das vantagens financeiras que esses alimentos trazem aos produtores, uma margem de lucro superior à dos alimentos comuns.

Porém, o que é benéfico economicamente para os produtores, apresenta um risco à saúde humana e à biodiversidade do planeta. Como esses alimentos são resistentes a agrotóxicos, estes são usados em maior quantidade em suas plantações, para eliminar ervas daninhas ou insetos indesejados. Assim, a quantidade de substâncias químicas nos alimentos que ingerimos é maior, o que por si só já é prejudicial, podendo ainda causar alergias em um maior número de consumidores. Além disso, os agroquímicos prejudicam os solos, que podem vir a se esgotar, e as sementes modificadas, caso substituam sementes naturais, comprometem a biodiversidade de folhas, vegetais, legumes e frutas.

Em contrapartida aos alimentos transgênicos, existe a produção de alimentos orgânicos, que visa respeitar o meio ambiente: não são usados produtos químicos, de forma que a fertilização do solo e o combate a ervas daninhas e insetos são feitos por métodos naturais. Produzidos dessa maneira, os alimentos, além de mais saborosos, são mais saudáveis, tanto para os humanos consumidores quanto para o solo e ambiente onde são produzidos. A única desvantagem desses produtos é o preço, que tende a ser elevado devido aos maiores custos de produção (além de serem produzidos em menor escala).

Entendendo a importância de alimentos produzidos sem componentes químicos, foi fundado o Instituto Chão. O intuito deste é levar os produtos orgânicos aos consumidores a preço de custo, diretamente dos produtores. Não há preocupação com lucro, apenas com uma alimentação saudável e de qualidade, baseando-se na economia solidária. Os sócios do instituto levam muito a sério a transparência nas contas e a venda a preço de custo, mesmo que isso dificulte o projeto a se manter financeiramente. Radical? Utópico? Certamente uma construção muito positiva para uma alimentação segura, saudável e livre de toxinas.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s